Sustentabilidade

O que fazemos

 

Certificação RTRS

Captura de Tela 2015-04-06 às 17.40.00

Reforçando nosso compromisso com a Sustentabilidade, a AGREX deu continuidade ao processo de certificação com a inclusão de mais 9.000 hectares, chegando hoje a 29.000 hectares de áreas certificadas no padrão RTRS  (Round Table on Responsible Soy Association) para a produção de soja responsável. A AGREX  foi a primeira companhia agrícola a certificar no padrão RTRS as fazendas na região do MAPITO e continua sendo a maior área certificada nesta região.

A intenção da Companhia, ao certificar e também negociar os créditos, é beneficiar-se através da promoção de melhorias internas, buscando elevar a eficiência na gestão e proteção de solos, no melhor manejo da água, na motivação dos colaboradores e no fortalecimento das relações com comunidades vizinhas. Consequentemente, os benefícios econômicos também poderão ser evidenciados, derivados da eficiência nos trabalhos no sistema de produção e no uso de agroquímicos.

Todo esse benefício será refletido externamente, pois a certificação busca melhorar a imagem da Companhia, facilitando a obtenção de créditos bancários e fazendo com que a empresa esteja em conformidade com as normas internacionais, facilitando, assim, a inclusão em novos mercados.

 

Programa de produção Sustentável – PPS

Objetivo: elaborar um diagnóstico das condições das fazendas de alguns de nossos clientes, buscando a adequação e regularização da áreas de acordo com a legislação e com os princípios do RTRS.

Público Alvo: clientes do Comercial com fidelização ou aqueles em que a área comercial apontar como clientes diferenciados.

Benefícios ao Produtor: hoje existem alguns riscos que o produtor corre por não ter suas áreas e estruturas em acordo com a legislação vigente. Isso pode resultar em uma possível sanção administrativa ou criminal, uma vez que a AGREX como financiadora pode sofrer perda financeira.

 

Programa AGREX Case

O programa AGREX/CASE foi criado com o objetivo de aproximar e reforçar a parceria que a Agrex tem hoje com a Case. Hoje, a empresa é frotista case na área agrícola com tratores e autopropelidos.

Neste programa quem se beneficia é o cliente Agrex da Área Comercial de Insumos. O RTC, ao fechar um negócio com nosso cliente, pode, a critério do comercial, premiá-lo com um voucher pode chegar até a R$ 20.000,00. O cliente premiado poderá utilizar este valor como desconto real na aquisição de Máquinas Agrícolas Case. Este programa teve início no final de 2014 e irá se estender até meados de 2015, podendo ser prorrogado caso haja demanda. Queremos com isso firmar uma parceria consistente com nosso cliente.

 

Ações nas escolas

acoes_nas_escolas

A Agrex tem buscado desenvolver atividades junto à comunidade nos locais próximos das áreas de atuação, principalmente nas fazendas de produção própria. Temos hoje uma aproximação com 3 escolas: uma em Batavo, município de Balsas (MA), outra no interior do município de Ribeiro Gonçalvez (PI) e uma ação mais recente com a Escola do Povoado de Apinajé no município de São Valério da Natividade (TO). Com isso, estamos buscando maneiras dos alunos conhecerem nossa atividade através de visitas nas áreas de produção. Tais visitas são guiadas e dentro das regras quanto à segurança dos alunos e professores, pois elas são realizadas durante nossa operação.

 

Indicadores

A Agrex se preocupa muito com a sustentabilidade. Por isso, entendemos que devemos diminuir nosso consumo de água, combustíveis e melhorar a cobertura do solo. Essas atitudes trazem benefícios financeiros e ao ambiente, melhorando também nosso desempenho enquanto empresa.

Captura de Tela 2015-04-07 às 09.23.45

Temos uma grande preocupação com o solo. Sendo ele o nosso principal meio de vida, é dele que extraímos nosso sustento. O Cerrado brasileiro se caracteriza por apresentar solos pobres. Por este motivo, tomamos um cuidado cada vez maior com a correção das propriedades químicas ideais para a produção agrícola, através da aplicação de calcário em áreas novas, adubação de fertilizantes na linha de plantio, conforme análise de solo e cultura a ser implantada. Em toda nossa área de plantio o sistema de agricultura de precisão é utilizado. As condições de temperatura e falta de pluviosidade nas regiões que atuamos fazem com que o solo permaneça por um longo período do ano descoberto ou sem vegetação.

Como sabemos que isso não é benéfico, a prática de fazer a segunda safra ou a chamada safrinha foi adotada. Isso permitirá que exista um residual de cobertura do solo que irá permanecer até as chuvas do próximo ciclo. Adotamos na safra 2013/2014 em algumas áreas o consórcio entre milho e brachiaria que tem apresentado um excelente resultado de massa seca por m2 no solo e em outras áreas foi adotada a cobertura somente com brachiaria ou com milheto.

Captura de Tela 2015-04-07 às 09.53.25

Os alimentos são elaborados a partir de produção vegetal. Para que uma planta se desenvolva de forma satisfatória são necessários, principalmente, luz, calor e umidade. Portanto, a água é fundamental para nossa atividade.

Neste ciclo tivemos no Brasil uma falta de água em algumas regiões, causando problemas visíveis e de efeito imediato. Esta preocupação é cotidiana, pois sabemos que essa falta pode acarretar problemas que vão desde o desabastecimento humano, a perda de produção, além do o baixo nível que afeta a irrigação e encarece nossos custos com transporte, pois onde a matriz de transporte é fluvial, o que pode ser inviabilizado, causando maior demanda de transporte rodoviário, encarecendo nosso custo final. Temos a preocupação de diminuir anualmente o uso da água em nossas aplicações de defensivos, conforme o gráfico (Pulverização) evidencia esta melhoria.

 

Captura de Tela 2015-04-07 às 10.18.13

Preocupamo-nos com a emissão de gases de efeito estufa. Nossas maiores emissões estão no preparo do solo, plantio, tratos culturais e colheita. Pela literatura existente na área, a média de consumo de diesel para se produzir um hectare de soja é de 50 litros.

Com o objetivo de diminuir o consumo de combustíveis no plantio, passamos a utilizar equipamentos maiores e mais eficientes por área cultivada.

 

Resíduos Sólidos

 

Captura de Tela 2015-04-07 às 10.24.07

Como temos preocupação com a destinação final dos nossos resíduos, no ciclo 2013/2014 iniciamos um trabalho com a separação, prensagem e venda de materiais oriundos da embalagem de fertilizantes e sementes em nossas fazendas de produção. 34 toneladas desse material foram recolhidas e vendidas para recicladores devidamente licenciados.

Os resíduos produzidos nas frentes de trabalho na produção agrícola são apanhados através da utilização das áreas de vivência móveis. Onde além de servir para o bem estar de nossos colaboradores no campo, serve também para recolher resíduos e com o fornecimento de estrutura própria para refeições e necessidades fisiológicas. Os resíduos sólidos vegetais provenientes dos armazéns como fertilizantes são utilizados nas hortas comunitárias, assim como nas hortas das sedes das fazendas de produção própria.

 

Hortas Comunitárias

Captura de Tela 2015-04-07 às 10.58.08

A Agrex conta com um programa de implantação de hortas nas fazendas de produção própria e em algumas comunidades próximas.

Este trabalho faz com que nossos colaboradores consumam alimentos de qualidade e as comunidades vizinhas tenham acesso a tecnologias de produção sustentável. A compostagem é utilizada como adubação de resíduos sólidos proveniente dos restos dos armazéns.

Meio ambiente. A Agrex do Brasil respeita.

Plantar com respeito ao meio ambiente é regra básica para a Agrex do Brasil. Para isso, a técnica mais utilizada é o sistema de plantio direto, que mantém a fertilidade do solo ao mesmo tempo que evita as erosões e o assoreamento dos reservatórios d’água, rios e córregos.

Outra medida adotada pela Agrex do Brasil é o controle de pragas, doenças e plantas daninhas com a utilização dos defensivos adequados e com sua correta aplicação. Todas as áreas cultivadas são fertilizadas com base nos levantamentos da agricultura de precisão, visando racionalizar a utilização de insumos.

Além disso, os produtores rurais são orientados a sempre descartarem as embalagens de defensivos de acordo com as normas legais.